quinta-feira, 30 de abril de 2015

Associação Nacional do Ouro realiza evento em Itaituba, PA

A (ANOURO), Associação Nacional do Ouro realizou evento nesta quarta-feira (29) em Itaituba para lançar a campanha de Educação Ambiental nos Garimpos.

Que busca, além do aspecto educacional, incentivar a regulamentação das atividades dos garimpeiros e das empresas ligadas ao mercado de ouro, buscando estimular a exploração racional de jazidas de ouro, instruir como preservar o meio ambiente e apoiar o processo de legalização dos garimpeiros e de sua produção. Tal iniciativa propiciará a formação do CNG – Cadastro Nacional dos Garimpeiros.O evento aconteceu no salão social do Hotel Apiacás, na rua Dr. Hugo de Mendonça, centro, e contou com a presença de homens e mulheres que trabalham no ramo da mineração na região.

Na mesa de autoridades estiveram presentes Alberto Rogério da Silva, geólogo representante da IBRAM; Edson Farias Melo, representante do Ministério de Minas e Energia; José Colares, secretário de Planejamento do Estado; Tiago Almeida, superintendente do DNPM; Gilson Camboí, da OCB - Organização das Cooperativas do Brasil; José Leal, presidente da APIGAM; Dirceu Frederico, presidente da ANOURO e o secretário municipal de meio ambiente de Itaituba, Hilário Vasconcelos.

A mesa fez um apanhado histórico da mineração na região do Tapajós, da evolução das técnicas de garimpagem, da implantação dos projetos e empresas. Também foi destacado o uso do mercúrio e do cianeto para a atividade, bem como dos riscos para a saúde e prejuízos ambientais causados pela maneira irregular como alguns garimpeiros fazem uso dessas substancias.

José Colares, Secretário de Planejamento do Estado, que já ocupou a pasta do meio ambiente destacou que “é preciso os órgãos reguladores se unir não somente no trabalho de fiscalização, mas também no trabalho de legalização”. Destacou que das permissões de lavra garimpeira concedidas em 2014 os garimpeiros tem cumprido com a legislação ambiental.

O novo código de mineração também foi tema do evento, sempre enfatizando que deve ser feito um trabalho voltado para a legalização das áreas produtoras de ouro, para que a região possa usufruir das riquezas produzidas gerando qualidade de vida para a população da região do Tapajós.
A informalidade e legalidade geram muitos prejuízos. De 1958, inicio da garimpagem na região, a 2014 foi registrada a produção de 221 toneladas de ouro na região, porém estima-se que outras 560 toneladas foram produzidas na informalidade.
Edson Farias Melo representante do
Ministério de Minas e Energia
Foto: Gilson Vasconcelos.
Dirceu Frederico presidente da Anoro
Foto: Gilson Vasconcelos
José Colares, secretário de Planejamento do Estado.Foto: Gilson Vasconcelos
Alberto Rogério da Silva, geólogo representante da IBRAM. Foto: Gilson Vasconcelos
Secretário municipal de meio ambiente de Itaituba, Hilário Vasconcelos. Foto: Gilson Vasconcelos

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!