terça-feira, 12 de maio de 2015

Homem canibal confessa que matou duas mulheres em Breu Branco, PA

Homem confessa que matou duas mulheres (Foto: Wellington Hugles)
Enquadrado no crime de feminicídio, está detido por medida de segurança, na cadeia pública de Tucuruí, na região sudeste do Estado.

O paraense Rafael da Silva Ribeiro, de 26 anos e réu confesso em dois crimes bárbaros que praticou no município de Breu Branco às margens da rodovia BR-422. Ele foi detido pela equipe do delegado Rommel Felipe Oliveira de Souza de Breu Branco depois que uma das vítimas, identificada como Maria Zélia Ribeiro dos Santos, não havia dormido em casa na última noite de sexta-feira (8) e teria sido vista a última vez em um bar na companhia de um homem suspeito.
Aprofundando as investigações, o delegado de Breu Branco conseguiu qualificar o suspeito como sendo Rafael da Silva Ribeiro. Assim que chegou na casa a equipe policial se deparou com o suspeito saindo da residência. Ele foi detido para averiguações. Revistando o imóvel, os policiais encontraram no quintal da casa, dentro de um saco de plástico, um cobertor branco, estampado com flores com manchas de sangue. Questionado, a respeito, o suspeito informou não saber de sua procedência. Dentro da casa novas provas como duas fronhas de travesseiros com a mesma estampa do cobertor que estava no quintal com manchas de sangue humano, foram encontradas.
O delegado solicitou uma pericia do Instituto de Criminalística de Tucuruí, sendo encontradas novas evidências como manchas de sangue pelo chão, na cama e no banheiro e em um dos quartos foi localizado uma pá, uma enxada e um cavador. No quintal, dois pontos chamaram atenção dos peritos que acabaram encontrando partes esquartejadas de corpo humano. O mais impressionante ainda estava por vir. No congelador da geladeira foi encontrado um coração e partes de carne que segundo os peritos seriam da vítima, uma vez que o teste para sangue humano resultou positivo. Detalhe: uma segunda mulher, que seria ex-companheira dele, identificada como Joana Cristina Soares da Silva, estava desaparecida há 15 dias. Levado para a delegacia de Breu Branco e interrogado, Rafael da Silva Ribeiro friamente, e sem “papas na língua”, detalhou os dois crimes. O primeiro corpo encontrado em pedaços seria de uma mulher conhecida como Zélia que ele diz ter conhecido no bar da Belinha.

Ele informou que após uma tarde de bebedeira levou a mulher para sua casa, com intuito de manter relações sexuais, mas logo após o ato o assassino disse ter se sentido inseguro com a presença da mulher depois que ela teria dito que “qualquer gracinha que homem tirasse com ela, metia um ferro na cabeça dele”. E, por esta razão, acabou matando-a a facadas. “Assim que percebi que ela tinha morrido passei a cortá-la em pedaços, depois coloquei as vísceras num saco e joguei tudo na fossa. Acho foi um espírito ruim que mandou que eu fizesse isso”, disse o assassino, que depois limpou o quarto e jogou os panos na fossa colocando o coração na geladeira porque, segundo o que relatou, queria ser preso mesmo.

Quanto ao crime que foi vítima a sua ex-companheira Joana Cristina Soares da Silva, o assassino disse que a conheceu em Altamira e depois veio para Tucuruí a pedido dela, que era viúva e vivia sozinha. Ele disse que passou a se relacionar com ela morando em uma casa na rua Belo Monte no bairro Palmares em Tucuruí. Tempos depois ela vendeu a casa em Tucuruí e comprou outra em Breu Branco e devido a desentendimentos no dia 18 de abril passado resolveu terminar o relacionamento, deixando a mulher possessa e, por esta razão resolveu matá-la, cortando o corpo em quatro partes e enterrado-o ao lado da porta dos fundos em uma cova rasa.

(Diário do Pará)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!