sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Operação de combate ao comércio de minérios prende suspeitos em Itaituba, PA

Resultado de imagem para PF
A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (26) em Itaituba, no sudoeste do Pará, dois suspeitos durante as ações da operação Soldner, deflagrada em Goiás e que cumpre mandados ainda nos estados de Minas Gerais, Distrito Federal, São Paulo, Pernambuco e Tocantins.


No Pará, a PF cumpre ainda um mandado de condução coercitiva e outro de busca e apreensão. Segundo a PF, a quadrilha, que seria formada por empresários comerciantes de joias e autônomos, vem sendo investigada há dois anos, após a polícia ter recebido a denúncia de que seus integrantes vendiam urânio, material considerado radioativo, para grupos extremistas que estariam ligados a ações terroristas. Essa questão ainda é apurada pelos policiais, mas a suspeita é que o grupo tenha movimentado cerca de R$ 500 milhões. Ainda de acordo com a PF, os suspeitos agiam desde a exploração das pedras preciosas e minérios até a exportação do produto. As investigações apontam que esse material saía do Brasil, passava por Portugal, Bélgica e Israel até chegar a Dubai.

A organização criminosa é dividida em dois grupos. O primeiro era responsável pela comercialização ilegal das pedras preciosas. Já a outra parte seria composta por autônomos e pequenos empresários que comercializavam, mediante fraude, títulos da dívida pública e moeda estrangeira, em transações financeiras envolvendo bancos venezuelanos. Os investigadores suspeitam que o comércio de moedas e títulos estaria vinculada à lavagem de dinheiro do grupo. Os integrantes da quadrilha podem responder por crimes como usurpação de matéria prima da União e formação de organização criminosa. As penas, somadas, podem chegar a 37 anos de prisão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!