sexta-feira, 22 de julho de 2016

Polícia Civil do Pará registra cinco casos de feminicídio por mês em 2016

O estado do Pará registrou 21 casos de feminicídio nos primeiros cinco meses de 2016. O balanço, divulgado pela Polícia Civil, mostra que foram mais de cinco mortes por mês entre os meses de janeiro e maio. Em 2015 foram 26 ocorrências.

A lei do feminicídio classifica o assassinato de uma pessoa pelo simples fato dela ser  como crime hediondo, com penas de 12 a 30 anos. O primeiro condenado pela lei foi Antônio Eduardo Sousa, que assassinou a universitária Ingrid Israel com golpes de faca em 2015. Na época a vítima tinha 27 anos, e estava prestes a se formar na faculdade de nutrição da UFPA. "Nós entramos em parafuso, porque perder uma filha do jeito que eu perdi com a minha esposa foi muito dolorido. Só sabe a dor quem passa por ela", conta Isaac Tavares, pai de Ingrid.

Crimes de ódio:  De acordo com a presidente da comissão de direitos humanos da OAB, Luanna Tomaz, a motivação para este tipo de crime não pode ser confundida com amor. "Não é um crime motivado por amor. Quando um homem agride uma mulher, ele agride porque acha que ela é submissa a ele", disse.

Luanna também defende uma mudança social para evitar novos crimes. "Uma lei por si só não colabora para prevenir o cometimento de crimes. A lei é o último passo" , conclui.
Segundo a delegada Janice Aguiar, da delegacia da mulher, a mudança deve começar nas famílias. "A educação é o principal, dentro da família, na escola... Uma mãe que cria um filho dizendo que ele pode tudo e que a filha pode nada, isso vai criar na cabeça daquele menino que ele vai poder tudo, e a menina não vai poder nada", destaca.

Vítimas recentes: Duas mulheres foram assassinadas no Pará no último fim de semana. Dilce dos Santos Cardosos, 37 anos, morta pelo companheiro Oswaldo Costa, de 65 anos, em Itaituba. Ele foi preso em flagrante e alegou legítima defesa. http://g1.globo.com/pa/para/noticia/2016/07/mulher-e-morta-com-um-golpe-de-faca-no-pescoco-em-itaituba.html

O outro crime foi em Paragominas. Doralice Torres Ferreira foi morta a golpes de faca na frente da filha, de 3 anos. O suspeito é o ex-companheiro Eudes Santos, com quem ela viveu por dois meses, e não queria aceitar o fim do relacionamento. "Agora ficou os dois filhos dela, a gente não sabe o que vai fazer ainda. Estamos tão atordoados que a gente não sabe", disse Marluce Ferreira, cunhada da vítima.

Fonte: G1-PARÁ

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!