quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Valmir Clímaco fala de como pretende governar Itaituba, entrevista concedida ao jornalista Jota Parente.

Oficialmente, o governo do prefeito eleito Valmir Clímaco só vai começar no dia 1º de janeiro vindouro. Todavia, poucos dias após ser eleito, ele começou a trabalhar, primeiro, na montagem de sua equipe de trabalho, e depois, no detalhamento do que pensa sobre como deverá ser o seu mandato, o que tem sido feito em reuniões com secretários escolhidos e demais assessores futuros, além de conversas individuais.
Faltando um mês para sentar na cadeira de prefeito, Valmir conversou com a reportagem do blog do Jota Parente, na tarde desta quinta-feira 30/11. Assuntos como transição de governo, trabalhos emergenciais nos setores que receberá em condições mais críticas, pedido de apoio ao governador Simão Jatene para construção um centro administrativo em curto espaço de tempo, além de diversos outros, foram tratados por Valmir nesse jogo rápido com o blog do Jota Parente.

Blog do JP – Está acontecendo transição de governo? Se está, em que medida?

TRANSIÇÃO: Valmir – Olha, a gente enviou um ofício para o atual governo, pedindo que houvesse a transição. Já aconteceram duas reuniões, e mesmo devagar, está acontecendo. Ainda falta um mês para terminar o governo, e a gente espera que esse trabalho continue e que haja a transição completa.
Blog do JP – No Brasil, há uma tradição que não é nada boa. Governantes que assumem costumam dizer que precisam arrumar a casa. O senhor, no seu governo, vai arrumar a casa, ou começará logo trabalhando? Valmir – Ontem (terça-feira, 29), eu fiz uma reunião com os prováveis secretários e pedi que até o dia 20 de dezembro, cada um deles me apresente uma agenda mínima de trabalho para desempenhar a partir do dia 2 de janeiro.  Disse a eles, que cada tem que estar preparado para começar a trabalhar a partir do dia 2 de janeiro. Não temos tempo a perder com essa história de arrumar casa. Esses mais de 26 mil eleitores que votaram na nossa chapa, acredita na gente. Esse povo não quer saber dessa conversa de arrumar casa, que na maioria das vezes é conversa fiada para enganar as pessoas. Já no dia 2 de janeiro a gente quer estar nas ruas, fazendo uma grande operação tapa-buracos, arrumando vicinais, fazendo uma grande limpeza na cidade. Falei para secretários e diretores, que peguem as repartições ligadas a cada pasta, que estão espalhadas pela cidade, para colocarem tudo em um só lugar, em prédios da prefeitura. Temos que diminuir esse grande número de imóveis alugados. Temos que ir direto ao assunto. 

Porteira fechada, não! Blog do JP – O blog ficou sabendo que tem gente escolhida para secretário, que esperava receber sua secretaria com “porteira fechada”. Ou seja: acreditava que poderia nomear todos os seus assessores. Mas, esse não é o jeito Valmir, de governar...

Valmir – Na hora que eu convido alguém para ser secretário, eu deixo bem claro, que para contratar até um vigia, tem que passar por mim. Temos compromissos com alguns partidos políticos que nos apoiaram, compromissos com a sociedade e temos que procurar colocar pessoas capacitadas para assumir cada secretaria, mas, deixando devidamente esclarecido que vamos ter que trabalhar muito próximos, esperando que o secretário me ligue algumas vezes por dia, mas, sem abrir mão do controle da máquina. Por falar em máquina, a Prefeitura de Itaituba tem um custo diário superior a R$ 350 mil, apenas com os servidores municipais. A folha de pagamentos ultrapassa mais R$ 10 milhões por mês. A administração tem a obrigação de oferecer condições para que os servidores possam fazer bem o seu trabalho, do prefeito ao gari, mas, é necessário cobrar que cada um desempenhe bem o seu cargo ou função.

Buraqueira na Transamazônica: Blog do JP – O perímetro urbano da Transamazônica, da baixa dos Queiroz até o Buriti, está muito esburacado. Que providências pensa em tomar para evitar que fique praticamente intrafegável, como já ficou?

Valmir – Eu tive uma reunião na secretaria do DNIT, juntamente com os deputados Hilton Aguiar e Chapadinha. O diretor do DNIT me disse, que o órgão irá recapear todo esse trecho urbano, até o km 7. E garantiu que não será um trabalho quebra-galho, mas, pavimentação com CBUQ, que é o asfalto para rodovia, que aguenta o tranco. Nós já colocamos à disposição a estrutura que a prefeitura dispõe, para ajudar. Enquanto isso não é feito, a prefeitura vai providenciar uma operação tapa-buracos a partir do dia 2 de janeiro. Espero que até lá tenha chegado asfalto. Assim que o DNIT fizer o recapeamento, nós vamos pedir ao governo federal, que passe o município a responsabilidade pela manutenção desse trecho, ou seja, que o mesmo seja municipalizado para que, dentre outras coisas, a gente possa ter um controle sobre essas construções que estão sendo feitas praticamente em cima da rodovia, podendo cobrar IPTU. Hoje, nem o governo federal, nem a prefeitura fiscalizam. Dá nisso que está aí.

Caos na saúde: 
Blog do JP – Faltam luvas, falta medicamento, falta quase tudo.  Tem alguma providência emergencial em vista?

Valmir – Já reuni com o secretário de saúde escolhido, Iamax Prado, ao qual pedi que tome providências para que a gente a partir do dia 2 de janeiro compre o que há de mais urgente, como medicamento para o HMI e para os postos. Faz parte do nosso projeto, dentro do prazo de 90 dias, fazer 500 cirurgias eletivas. Para isso, tenho conversado com os médicos cirurgiões, como os doutores Benigno Olasar Reges e Diniz

Blog do JP – Continua determinado a dar prioridade para especialistas que residam no município?

Valmir – Começando por uma coisa que falei bastante na campanha: vamos construir e aparelhar uma sala de cirurgia, e a partir do momento em que estiver tudo pronto, conversaremos com especialistas locais. Um deles é o Dr. Leonard Cabral, com o qual a gente vai tratar desse assunto. Nessa área da ortopedia, o nosso desejo é de que de cada dez cirurgias necessárias, pelo menos sete sejam feitas aqui mesmo. Só irá para Santarém, ou outra cidade, quem precisar de um procedimento que não possa ser feito em Itaituba. 

Coleta de Lixo: 
Blog do JP – A coleta de lixo domiciliar está complicada. Sem carros papa-lixo, são usadas caçambas, além de haver reclamação da população a respeito da frequência do serviço. Alguma providência a caminho?

Valmir – O Ministério da Integração Nacional liberou R$ 50 milhões para os 20 parlamentares do Pará, que são 17 deputados federais e 3 senadores. São R$ 2,5 milhões para cada um desses parlamentares da bancada paraense. O deputado Chapadinha contemplou Itaituba com dois papas-lixo e uma caçamba; senador Paulo Rocha: um papa-lixo; deputado Zé Geraldo: dois papa-lixo e três caçambas e o deputado José Priante deu um papa-lixo. A informação que existe é de que já houve a licitação, e de que até o final de janeiro do ano que vem serão entregues esses equipamentos. Eu estou conversando com o deputado Wladimir Costa, e eu não tenho dúvidas de que nós teremos condições de fazer um grande trabalho nessa complicada questão da limpeza pública, também, com a ajuda ele.

Blog do JP – E o lixão, prefeito?

Valmir – Eu estive, hoje, no lixão, verificando as condições em que se encontra. É muito complicado. Mas, nós temos um projeto, também para lá. 

Blog do JP – O senhor fala em projeto para o lixão, ou quer dizer, aterro sanitário?

Valmir – Eu me referi ao lixão, mesmo, numa solução de curto prazo. Vamos dizer, cerca de noventa dias para resolver aquilo ali. Precisamos conversar com os órgãos ambientais para ver como poderemos encontrar uma solução, como incinerar, porque não tem condições de enterrar mais ou menos vinte e cinco caminhões de lixo, por dia. Não há condições de continuar trabalhando desse jeito, porque daqui a uns poucos anos não teremos mais onde enterrar tanto lixo.

SEMED no Castelo Branco:

Blog do JP – Com referência à Secretaria de Educação, que funciona há anos em prédio alugado, alguma novidade em vista?

Valmir – O município paga quase R$ 26 mil de aluguel mensal pelo prédio onde a SEMED funciona. Nossa ideia é conversar com a comunidade, para usar as dependências da Escola Castelo Branco, que tem poucos alunos, transferindo-os para a escola mais próxima, no caso, a Escola Maria da Consolação Cerqueira, no Jardim das Araras, que será toda climatizada. Se tivermos êxito no desenvolvimento dessa ideia, toda a estrutura da SEMED irá para a Escola Castelo Branco.

Blog do JP – A Coordenadoria de Tributos vai sair do atual endereço?

Valmir – Tão logo a gente tenha o centro administrativo pronto, só vão ficar de fora de lá, as secretarias de Saúde, Educação e Meio Ambiente. O resto vai tudo para o centro administrativo. A prefeitura tem, hoje, mais de 150 centrais de ar condicionado espalhadas por lugares inadequados. Vamos economizar energia e dinheiro.

Violência:
Blog do JP – Embora segurança pública seja dever do estado, quando os índices sobem muito, como ocorre em Itaituba, cobra-se muito dos políticos locais, sobretudo, do prefeito. O senhor pretende falar com o governador sobre isso?

Valmir – De fato, no que se trata da questão da segurança pública, a prefeitura não tem muito o que fazer. Mas, o problema aflige a toda nossa comunidade, e o prefeito não pode fazer de contas que nada está acontecendo. Por isso, segunda-feira vou para Belém, onde vou tentar me encontrar com o governador Simão Jatene, com o qual falarei sobre a preocupação de todo povo de Itaituba a esse respeito. Nós temos que cobrar, temos que apertar a Polícia Militar e a Polícia Civil para que sejam mais ágeis e mais eficientes para encontrar criminosos que assustam a população. Mas, temos que cobrar do governo, melhores condições de trabalho para os policiais, seja com melhores viaturas, seja com combustível para abastecê-las, ou com armamentos que lhes permitam combater a criminalidade. Isso não impede que a gente cobre da polícia, que casos como dessa jovem mãe de família Eliane Sousa, da TV Tapajoara, que foi brutalmente assassinada, por motivo torpe, sejam esclarecidos e o mais rápido possível. A sociedade não pode ficar sem uma resposta. 

Meio Ambiente:
Blog do JP – Empreendedores da área mineral, de todos os portes, reclamam que a SEMMA é muito burocrática. O senhor pensa em torna-la mais ágil?

Valmir – Eu já conversei sobre esse assunto, diversas vezes, com o Bruno Rolin, escolhido para ser o secretário de meio ambiente. O município produz cerca de uma tonelada e meia de ouro, por mês, porém, menos 400 quilos saem do município de forma regular. Ou seja, mais de uma tonelada é comercializada na informalidade. Precisamos facilitar no que for possível, porque muitas vezes a pessoa reclama, mas, quando a gente vai ver, ela não apresentou a documentação exigida pelos órgãos do meio ambiente. Vamos procurar agilizar, mas, obedecendo rigorosamente a legislação. Também vamos cobrar que os secretários, de um modo geral, facilitem o acesso do povo. Não vou tolerar secretário que passe três ou quatro dias por semana sem aparecer na sua secretaria.

Prefiro não acreditar:
Blog do JP – O seu mandato só começará em 1º de janeiro, mas, alguns problemas do final do atual governo terminam chegando até sua mesa. Andam falando que a prefeitura não terá dinheiro para pagar o salário de dezembro. Como o senhor vê esses comentários?

Valmir – O que a gente ouve são comentários que nos deixam preocupados. Quando entreguei a prefeitura, deixei tudo pago. Salário de dezembro, 13º Salário, férias, fiz rateio e ficou dinheiro em conta. Eu não posso acreditar que um município do porte de Itaituba deixe seus funcionários sem receber salário. Mas, os sindicatos - SINSERMI, SINTEPP e SINSAÚDE- devem estar acompanhando tudo isso. Porém, quero lembrar que a Lei de Responsabilidade Fiscal é curta e grossa. Contas que ficarem do final de um governo, são exclusivamente de sua responsabilidade. Você só pode empenhar uma conta, se deixar recurso para pagar. Mas, prefiro acreditar que isso não vai acontecer. 

Fonte: BLOG DO JOTA PARENTE 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!