segunda-feira, 22 de maio de 2017

Gravação não seria aceita em 'situação normal', diz perito da defesa de Temer

O perito Ricardo Molina, contratado pela defesa de Temer, durante entrevista nesta segunda em Brasília (Foto: Renan Ramalho/G1)
Contratado pelos advogados do presidente Michel Temer, o perito Ricardo Molina afirmou nesta segunda-feira (22) que a gravação de uma conversa entre Temer e o dono da JBS Joesley Batista, de março deste ano, é "imprestável" como prova numa investigação e não seria aceita em uma "situação normal".
Com base na gravação e em informações prestadas por Joesley e o irmão Wesley Batista, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luiz Edson Fachin autorizou a abertura de inquérito para investigar Temer pelos crimes de corrupção passiva, obstrução à Justiça e organização criminosa.
As delações dos empresários já foram homologadas por Fachin e, como provas, eles entregaram ao Ministério Público Federal documentos, gravações, fotos e vídeos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Se identifique e deixe seu comentário com responsabilidade!!!